XIV Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada

I ABRALIC DE VERÃO

O valor da inscrição deve ser pago através de depósito bancário ou transferência eletrônica, ou DIRETAMENTE NA SECRETARIA DO EVENTO (Sala 08 – Prédio da Pós-Graduação em Letras)

BANCO DO BRASIL (001)
AGÊNCIA: 3702-8
CONTA CORRENTE Nº: 40.777-1
CNPJ 91-343-350/0001-06

*Após realizar o pagamento da taxa de inscrição, é obrigatório o envio de imagem escaneada do comprovante de depósito para diretoria@abralic.org.br Devem aparecer no comprovante, de forma legível, o nome do participante (tal como consta na inscrição) e o valor depositado.

 

PRAZOS

INVESTIMENTO

19/03/2015 – 15/05/2015 1 MINICURSO – R$ 50,00
2 MINICURSOS – R$ 100,00
16/05/2015 – 19/06/2015 1 MINICURSO – R$ 80,00
2 MINICURSOS – R$ 140,00
22/06/2015 – 26/06/2015 1 MINICURSO – R$ 100,00
2 MINICURSOS – R$ 170,00


DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES

1.MINISTRANTE: ÁLVARO SIMÕES (UNESP/ ASSIS)
TÍTULO: LITERATURA E IMPRENSA NA BELLE ÉPOQUE CARIOCA

EMENTA: Estudo de algumas das principais formas que assumiu a colaboração literária publicada em jornais e revistas cariocas no período de 1894 a 1908, com especial destaque para a crônica, a crítica literária, a reportagem, a sátira e a paródia, gêneros que foram cultivados por escritores do porte de Machado de Assis, Artur Azevedo, Olavo Bilac e João do Rio, entre outros.
2.MINISTRANTE: ANITA MARTINS (UFF)
TÍTULO: LITERATURA, ANTROPOLOGIA E TEORIA LITERÁRIA: A FUNÇÃO HUMANIZADORA DA LITERATURA EM DEBATE

EMENTA: Neste minicurso, tratarei de algumas funções atribuídas por Antonio Candido à literatura, particularmente em seus ensaios "Estímulos da criação literária" (1965), "A literatura e a formação do homem" (1972) e "O direito à literatura" (1988). Darei destaque à "função humanizadora", recorrendo, para tanto, a seu trabalho etnográfico sobre a sociedade caipira, intitulado Os Parceiros do Rio Bonito (1964), de maneira a delinear mais propriamente qual seria sua concepção de "humanização". N'Os Parceiros do Rio Bonito, Candido evidencia sua preocupação quanto aos destinos da sociedade brasileira, apontando riscos de regressão e de recrudescimento das desigualdades que a caracterizam. Recuperar suas teses acerca do caipira e da precarização de suas condições de vida permite que a ideia de "humanização", subjacente à definição de uma função humanizadora da literatura, adquira novos contornos. Em seguida, tratarei da escrita de Ruy Duarte de Carvalho, autor angolano que recorreu à literatura para lidar com o legado colonial, problematizando-o. Ruy Duarte de Carvalho transita entre a antropologia e a literatura, produzindo discursos híbridos que demandam a revisão de certas ideias acerca do chamado "primitivo". Meu interesse, então, será discutir a noção de "função humanizadora", como teorizada por Candido, a partir da representação dos pastores kuvale presente na ficção duartiana, com destaque para o conto "As águas do Capembáua", de Como se o mundo não tivesse leste (1977). Abordarei, também, o conto "Meu tio, o Iauaretê", de Guimarães Rosa, dialogando com proposições do antropólogo Eduardo Viveiros de Castro. O objetivo deste minicurso torna-se, assim, refletir acerca da força da experiência literária como propiciadora de alternativos modos de ver e estar, desencadeadora da revisão dos modos habituais, estes muitas vezes implicados na reprodução de relações desiguais de poder.
3.MINISTRANTE: CÁSSIO DOS SANTOS TOMAIM (UFSM)
TÍTULO: DOCUMENTÁRIO, MEMÓRIA E LITERATURA

EMENTA: Ao propor uma abordagem da relação cinema e literatura, o curso procura ir além da problemática da fidelidade que atravessa os estudos das adaptações fílmicas de obras literárias, focando em um outro tipo de cinema: o documentário. Tem como objetivo apresentar três possibilidades de aproximações entre o documentário e a literatura: o desafio de "imprimir o autor no negativo" em documentários biográficos de poetas ou autores literários; a marca da subjetividade no gesto formativo de documentários poéticos; e o estatuto do testemunho para pensarmos o diálogo entre o filme e a literatura de teor testemunhal, reconhecendo que ambos os textos (fílmico e literário) nascem de uma "vontade de memória" de seus autores (ou realizadores) que revestem as narrativas de um tom realista.
4.MINISTRANTE: FRANCELI APARECIDA DA SILVA MELLO (UFMT)
TÍTULO: OFICINA DE LEITURA: MESTRES DO CONTO NO BRASIL

EMENTA: Este curso propõe a leitura e análise de contos dos melhores autores do gênero no Brasil, entre eles: Machado de Assis, Mário de Andrade, Clarice Lispector, Guimarães Rosa, Moacyr Scliar, Murilo Rubião, Dalton Trevisan, Victor Giudice, J. J. Veiga, Marina Colasanti, João Gilberto Noll. Com o objetivo de:
- estimular a sensibilidade do leitor para os aspectos de composição estética e ideológica do texto literário, através do contato direto, bem como pela mediação de obras de crítica e teoria literárias;
- levar o leitor a estabelecer relações entre os contos estudados e outros gêneros literários;
- levar o leitor a estabelecer relações entre os problemas e concepções dominantes na cultura do período em que o conto foi produzido e os do seu contexto atual.
5.MINISTRANTE: MARILENE WEINHARDT (UFPR/CNPQ)
TÍTULO: FICÇÃO HISTÓRICA BRASILEIRA NO SÉCULO XXI

EMENTA: Origens do romance histórico. A ficção histórica contemporânea no Brasil. A frequentação do discurso de memórias como recurso narrativo. Leitura de Heranças (2008), de Silviano Santiago e de Azul-corvo (2010), de Adriana Lisboa.
6.MINISTRANTE: GERMANA HENRIQUES PEREIRA (UNB)
TÍTULO: TRADUÇÃO LITERÁRIA: ESTRANGEIRIZAÇÃO/NATURALIZAÇÃO COMO PAR DIALÉTICO

EMENTA: Análise das estratégias e procedimentos tradutórios com ênfase no enfrentamento e nas contradições que implicam a escolha de uma tradução para o autor ou para o leitor (sourciers/ciblistes); cotejo de diferentes tipos de textos sem limitações de línguas, autores ou épocas. Aprofundamento da instrumentação teórica para a reflexão histórica acerca dos estudos da tradução, por meio da análise do par dialético estrangeirização/domesticação e seus efeitos na tradução literária.
Objetivo: Pretende-se discutir questões teóricas acerca da história da tradução e da tradução literária, notadamente no que diz respeito aos conceitos duais e tradicionais dos Estudos da Tradução: estrangeirização e naturalização.
7.MINISTRANTE: JOÃO CEZAR DE CASTRO ROCHA (UERJ)
TÍTULO: NOTAS INICIAIS SOBRE O ROMANCE INGLÊS DO SÉCULO XVIII E A TELENOVELA BRASILEIRA

EMENTA: Primeiro encontro – Raymond Williams e as formas narrativas
Raymond Williams. Drama in a dramatised society. Cambridge: Cambridge University Press, 1975.
        ____. Television. Technology and cultural form. Hanover and London: Wesleyan University Press, 1992 [1974].
        ____. Keywords. A Vocabulary of culture and society. New York: Oxford University Press, 1983 [1976].

Segundo encontro – Romance inglês do século XVIII
        Sandra Guardini Vasconcelos. Dez lições sobre o romance inglês do século XVIII. São Paulo: Boitempo Editorial, 2002.         ____. A formação do romance inglês. Ensaios teóricos. São Paulo: Hucitec / Fapesp, 2007. Wolfgang Iser. Sterne. Tristram Shandy. Cambridge: Cambridge University Press, 1988.         ____. O fictício e o imaginário. Perspectivas de uma antropologia literária. Tradução de Johannes Kretschmer. Rio de Janeiro: EDUERJ, 1991.

Terceiro encontro – Telenovela e forma ficcional
        Anna Maria Balogh. O discurso ficcional na TV: sedução e sonho em doses homeopáticas. São Paulo: Edusp, 2002.         Esther Hamburger. O Brasil antenado: a sociedade da novela. Rio de Janeiro, Zahar, 2005.         ____. "Telenovelas e interpretações do Brasil". Lua Nova, 82: 61-86, 2011.         Mauro Alencar. A Hollywood brasileira: panorama da telenovela no Brasil. São Paulo: Senac, 2002.
8.MINISTRANTE: SÍLVIA MARIA AZEVEDO (UNESP/ASSIS)
TÍTULO: "MACHADO DE ASSIS CRÍTICO LITERÁRIO"

EMENTA: Investigar o discurso crítico da segunda metade do século XIX, mais particularmente a contribuição da produção crítica machadiana como tentativa de uma definição teórica da crítica literária no Brasil.
9.MINISTRANTE: SIMONE MENDONÇA (UNIFESSPA)
TÍTULO: LITERATURA E FORMAÇÃO DO LEITOR

EMENTA: O leitor e sua importante participação nos estudos literários. Teorias sobre apreciação do texto literário e formação do leitor. Discussões teóricas sobre o ensino de literatura. Questões relacionadas à leitura e ao letramento.
10.MINISTRANTE: MARCELLO MOREIRA (UESB)
TÍTULO: MANUSCRITURA, ESCRIBAS, RETÓRICA, POÉTICA E OS LIVROS DE MÃO DA TRADIÇÃO DE GREGÓRIO DE MATOS E GUERRA

EMENTA: Objetiva-se discutir o circuito de produção, circulação e recepção da poesia atribuída a Gregório de Matos e Guerra a partir de uma análise histórica circunstanciada dos cancioneiros poéticos que nos transmitiram essa poesia. Estudar-se-á a importância da manuscritura no Império Português nos séculos XVII e XVIII, sobretudo na cidade da Bahia, em que não havia casas impressoras e em que o manuscrito ocupava lugar preeminente entre letrados que dele precisavam para publicar seus escritos. Deter-nos-emos também na análise de vários tipos de manuscritos por meio de que se publicava a poesia na cidade da Bahia nos séculos XVII e XVIII, como livros de mão autorais, livros de mão poéticos miscelâneos, folhas volantes e livros miscelâneos de tipo misto. Relacionaremos códigos bibliográficos a códigos linguísticos e nos deteremos na leitura de fragmentos de preceptivas retóricas e poéticas, que regravam a prática da composição de vários gêneros poéticos de então, para demonstrar como a hierarquia dos gêneros afetava a disposição das peças no interior dos volumes e como uma legibilidade mais englobante implica ler os poemas no interior dos cancioneiros em que se relacionavam com vários outros textos que a eles se associavam pelo recurso a várias estruturas paratextuais, como as didascálias. Por fim, discutiremos o impacto do estudo da tradição cancioneiril gregoriana e da manuscritura luso-brasileira na prática filológica dos dias de hoje.
12.MINISTRANTE: PAULO MOTTA (USP)
TÍTULO: DIÁLOGOS EM SURDINA: ALEXANDRE DUMAS, CAMILO CASTELO BRANCO E MACHADO DE ASSIS

EMENTA: O curso pretende aproximar obras de autores que, habitualmente, não são postas em confronto. Para tanto, inicialmente será analisada a aproximação, habitual, entre a obra de Camilo Castelo Branco e de Honoré de Balzac, apontando os equívocos interpretativos sobre a produção do primeiro dai decorrentes. Em seguida a obra do escritor português será confrontada com romances de Alexandre Dumas produzidos nos anos 30 do século XIX, o que permitirá uma nova visada sobre algumas características da prosa camiliana. Será possível, então, refletir sobre a proximidade entre algumas destas características e alguns procedimentos narrativos de Machado de Assis, abrindo a possibilidade para o confronto entre outras proximidades e divergências entre a obra deste e a de Camilo Castelo Branco.
13.MINISTRANTE: SIMONE DE SOUZA LIMA (UFAC)
TÍTULO: LITERATURA E ORALIDADE: DIÁLOGOS ENTRE ÁFRICA E BRASIL (MOÇAMBIQUE, ANGOLA, SERTÃO MINEIRO E AMAZÔNIA BRASILEIRA)

14.MINISTRANTE: ANA MARIA VIEIRA (UFOPA)
TÍTULO: ROMANCE, HISTÓRIA E MEMÓRIA: INTERTEXTUALIDADE E METAFICÇÃO NOS ROMANCES PÓS-COLONIAIS

EMENTA: O curso pretende examinar como os autores de romances pós-coloniais trabalham os eventos históricos revelando outras versões da história, possibilitadas pela ficção. Como base ao estudo pretendido serão utilizados os romances Viva o povo brasileiro, de João Ubaldo Ribeiro; A casa da Água, de Antônio Olinto e Um defeito de cor, de Ana Maria Gonçalves. A base teórica do curso se apoiará nos estudos que enfatizam a importância da memória para a literatura, bem como nos que admitem o entrosamento entre a história e a ficção no romance pós-moderno, considerando que são responsáveis por uma nova modalidade narrativa, a metaficção.
15.MINISTRANTE: SÍLVIO HOLANDA
TÍTULO: A questão da compreensão e do pós-moderno nos últimos textos de Jauss (1990-1997)

EMENTA: Propõe-se um breve exame de alguns textos teóricos fundamentais de Hans Robert Jauss (1921-1997), com base na ideia central de que o sentido da obra de arte, longe de ser transtemporal, se constitui historicamente (JAUSS, 1991). Produzindo continuamente desde a década de 1950, acerca da problemática da hermenêutica literária, o téorico e crítico alemão ainda examina os desdobramentos dessa perspectiva para os estudos literários, em textos fundamentias tais como Probleme des Verstehens (póstumo, 1999), “Alter Wein in neuen Schläuchen? Bemerkungen zum New Historicism“ (1990), “Die literarische Postmoderne” (1990), “Die problematische Moral des Ästhetischen” (1995), “Karl Löwith und Luigi Pirandello. Das Individuum in der Rolle des Mitmenschen” (1996), bem como o último livro por ele publicado, ainda inédito em português, Wege des Verstehens (1994; tradução espanhola: Caminos de la comprensión, por Pol Capdevila e outros, 2012). Diante dessa densa reflexão teórico-crítica, atenta ao debate contemporâneo em torno do pós-moderno, o objetivo do mincurso é estudar a Estética da recepção em uma formulação que vai além dos postulados iniciais, relativos ao lugar do leitor em uma revisão da historiografia literária tradicional.
16.MINISTRANTE: Profa. Dra. Maria Adelina Amorim (Universidade de Lisboa)
TÍTULO: Literatura e Viagem: do Antigo ao Novo Mundo

EMENTA: Literatura de viagens: considerações.
A busca do Novo Mundo para Ocidente.
O mito e o maravilhoso.
Textos portugueses de Expansão.
Literatura de vigens: textos de missão no Brasil colonial.
O caso do antigo Estado do Grão-Pará e Maranhão.